26 outubro 2008

Mar Adentro


Eu devia ter percebido que este filme de 2004, emprestado pela L. vai para mais de 5 meses, tinha que ser brilhante. Na capa diz que recebeu o Óscar para Melhor Filme Estrangeiro, O Globo de Ouro na mesma categoria, e outros prémios ainda, disfarçados a letras mais pequenas.

Então, temos uma banda sonora muito charmosa, uma imagem perfeita, personagens do mundo ibérico, trechos de humor fino, um fio narrativo sóbrio, mas desconcertante. O ciúme feminino, o conflito geracional, o desejo carnal, a representação quase quadridimensional (?) dos sentidos, a prisão do corpo e a liberdade do sonho, a solidariedade, a compaixão, esta quase infinita e quase espontânea capacidade de amar o próximo, o amor feito refém da possessão física, e, por fim, a irredutibilidade da morte. As questões políticas, morais, éticas e metafísicas da eutanásia, elegantemente postas na mesa para reflexão.

Presentes estão todos estes ingredientes num bem conseguido equilíbrio que surpreendentemente evita a lágrima fácil e nos põe necessariamente a pensar, e questionar, na absoluta seriedade dos nossos problemas. Imperdível, de Alejandro Amenábar.

E numa metamorfose o meu corpo já não é o meu corpo.

É como penetrar no centro do universo.

O abraço mais pueril, e o mais puro dos beijos,

Até ver-nos reduzidos a um único desejo.

(...) Mas acordo sempre e sempre desejo estar morto.

Com a minha boca enredada no teu cabelo.
[Vi o trailer umas 5 vezes seguidas depois do filme terminar... Como sou uma infonabiça, não o consegui colocar aqui :( ]

7 comentários:

Caetana disse...

Vi o filme aqui há uns anos. É, de facto, um filme que não nos passa indiferente...consegue ser perturbador.

flávia disse...

Ah, não vi esse. E é dos tais que valem os 5 euros no cinema (hoje em dia tem que se escolher muito bem onde os gastar...). Só o facto de ter Bardem, e o cine espanhol é muito bom. Também o verei um dia destes isandes e a tua apaixonante crítica ainda me motiva mais.

Dica para colocar aqui o trailler recorrendo ao mais óbvio, o youtube: à direita do video tens dois códigos - o 1º é o link mas o de baixo é o html para usar em sites e blogs - seleccionas esse, copias (Ctrl+C)e depois colas na caixa do post (Ctrl+V). É pá infonabiços somos todos!

u João disse...

Olá!Depois do texto postado, pouco se pode dizer, porque esta lá tudo.
De realçar a perfomance do javier bardem, que o lançou pro estrelato. A questão da eutanásia, é tão complicada, que só mesmo, vivendo uma situação limite, de perto, se pode ter uma opinião séria.
beijo

Isandes disse...

A todos: é, o filme é fantástico, ponto. Sem grandes dramatismos, cru, mas sensível, claro.

Flávia: já pus vídeos importados do utube em ocasiões anteriores, mas agora, vá-se lá saber porkê, não tou a conseguir... Falta-me aki 1 expert à mão... bigada à mesma

Ianita disse...

Este filme estreou numa altura em que estava em Salamanca de férias. Uns amigos meus foram vê-lo ao cinema eu preferi ir às compras (e o meu espanhol não é bom o suficiente para ver um filme sem legendas).

Ficaram ambos maravilhados com o filme e tenho estado para o ver desde então...

Tenho mesmo de ver. Preparar os lenços de papel, deduzo, mas ver. Vai ter de ser.

Obrigada pela sugestão. Kiss

flá disse...

ah vi logo q n poderia ser tão básico o problema. Então há aí um conflito.. Infelizmente tb sou infonabeira, n sei mais q o básico.

Patrícia disse...

Nunca vi este filme mas fiquei curiosa:)
Foi uma boa ideia colocar a "crítica" do filme, ando sempre à procura de novos filmes para alugar, obrigada pela dica, tenho a ideia que já vi tudo que era interessante e tunga aparece mais um :)