01 outubro 2017

É que gosto de povo que põe polegares up nas suas próprias publicações. Sim, no face. E no insta.

27 junho 2017






Há experiências que surpreendem. Sabia que havia de ser figurante daquele quelho, soube-o pelo menos há um ano.
E foda-se, foi brutal. Primeiro, incomodou-me. Os olhares de lascívia (que o asco acaba por provocar. Irónico, né?), os braços atrevidotes, as línguas masculinas serpenteantes a baterem-me como estalos, os pecados ("##, #!, ..."), aquela onda energética toda de encarnar um arquétipo - a pobreza, o nojo, a luxúria...
Depois: "trabalhar" com pessoas que não têm nome, nem profissão, nem CC, que apenas estão ali por si, pelos outros, pelo momento. e que se vêm a revelar adoráveis, com as quais estabelecemos laços que não sabemos por por palavras.
E ainda: "Ai, que precisava tanto de me rir, menina!; "Passo aqui todos os dias!"; "Como é, gostou? Pró ano volta?"; "Está no facebook?"  - (exagero, eu sei...).
E euzinha, claro: as abordagens mandadas a torto e a direito e constatar, quase sempre tarde demais, que alguns dos meus destinatários (que só observava, às vezes, e de bem pertinho) consideravam que eram missivas personalizadas.
E o carinho, e a barrigada de riso com a minha #Aurélia, um show de mulher, e as crianças e os pais e as avós a mostrarem a tacha. E o resgate da minha criança interior. E tudo.💓

18 junho 2017

e mázotra aqui da Isabelucha.

- Quem é este que pôs like na nossa foto? É gay?
- Sim, foi meu aluno.
- Não me é estranho...
- É natural. Já foi à TV. Foi aproveitado pelo padrasto.

(eu e as palavras - relação tão íntima, tão bélica. zûte.)

26 março 2017

ontem fui dançar. não o fazia havia meses. lembrei-me que adoro fazê-lo. fez-me sorrir, rir. espetei com uma lambada no meu par na 1ª salsa dançada. enganei-me nos passos até mais não. evoquei memórias. e enxutei-as também. viva as amizades.

28 fevereiro 2017

Passa no mundo a estranha ventania. Os mortos perseguem os vivos. É o tumulto, o peso do espanto, as forças tumultuosas e cegas. A pedra espera ainda dar flor, o silêncio tem um peso, há almas embrionárias.

(só pa ver se sei a minha deixa, a que devia saber já há um mês)

08 dezembro 2016

agora?

- O que é que a chave diz para a fechadura, meninos?
- Não sei.
- Não sei.
- "Vamos dar uma voltinha?" :)
- Agora, professora?
- .

(isto de querer estimular o sentido de humor não será bem uma competência da Educação Especial)

17 março 2015

às vezes (muitas), esqueço-me que gosto(ava) de escrever. damn.

31 outubro 2014

maizoutra

-... exemplos de desastres naturais?
- Esbarramentos!
- Desastres na-tu-rais.
(...)
- Cheias?...
- Muito bem. E mais?
- Vazias!
- .

17 outubro 2014

- ... Ibérico, de Península Ibérica. Toda a gente sabe o que é, certo?
- .
- Ibérico?...
- É uma freguesia!
- Num é nada, burro! É uma cidade. Num é? Um país?

16 setembro 2014

- Ai, que morro...
- Num morres nada, sossega a passareca.
(a espécie de blogger prá espécie de blog)

22 abril 2014

em verdade vos digo

o banho tcheco é um mito. só podia - o bidet é franciú.

09 março 2014

"Este sentimento de falta não sou eu." O ser e o ter. :)

04 março 2014

isto do voluntariado...

Faz-se por vaidade, também (mea culpa). E por egoísmo: um hiato em que emigramos dos nossos problemas.
E depois, aquelas situações: afinal, a não-sem abrigo é uma sem abrigo. e não tem cobertores para se agasalhar, porque lhos roubaram. E não parece querer dormir numa instituição talvez porque vê o mundo com aquela insanidade que aparentemente a torna diferente de nós.
(Estes dias fiz um exercício, mais um: ver todas as pessoas como iguais, unas. E não me revi ali, por mais que tentasse.)

09 janeiro 2014

a croma andava ausente

mas acordou. ca remédio:
Entrada discreta no wc dos deficientes (era o único, note-se) da Loja do Cidadão, olhar periférico direcionado para o chão e AAIIIIIIIIII! (mania de colocarem espelhos à medida da parede)
Estava ali uma gaja, toda de preto, muito linda, não desfazendo.

01 janeiro 2014

tudo indica que mudanças serão forçadas a operar. ok, então.

20 novembro 2013

e quando

queremos fazer o que gostamos muito de fazer (e não nos lembramos do que gostamos)?

27 outubro 2013

05 agosto 2013

14 julho 2013

09 julho 2013

o sr.Universo tem sempre razão, né?


Ontem estava toda entusiasmada (vá, algo) (ok, um pouquinho) para retomar a minha famigerada tese e alongá-la em 30 páginas, agarrando o touro pelos cornos, para mandá-lo de vez para o curral - ou quê.
Mas o sr.Universo enviou-me uma dor nos ombros e lombar. Percebi logo: se é para parar, a malta pára.
Olhe, desculpe, ainda me doi um coche. E tenho calosidades nos pés. E borbulhas na testa. Paro mais umas semanas? Ok, então ´tá.

04 julho 2013

pimenta no rabiosque dos outros

Acho piada. Mesmo. "Ha, ha, ha, o Gaspar e sua esposa foram insultados no supermercado!". Como se coubesse nesse ato toda uma operação de vingança sobre o único culpado deste sítio pantanoso em que nos imobilzámos. E acresce que algumas dessas pessoas que assim partilham esse tipo de notícias (no Fronhas, claro está) são professoras. As mesmas que USAM MAIÚSCULAS para denunciar casos esporádicos de alunos que agridem profes. As mesmas que, quando surge uma outra notícia-"Professor atira ácido para cima de namorada", gostam de frisar que o que está em causa não é a profissão do demente, mas a demência em si. Bah. É só.

30 junho 2013

o meu reino pela simplicidade. o espírito, o momento, a ausência de expetativa.

(só para depois, resgatá-lo.)

09 junho 2013



cada célula do meu corpo reclama por cada célula do seu.
flameja-me a púbis, porque lhe suplicam as coxas: abram-nos.
 acesa, pestanejo ao ritmo do arfar do meu peito,
adivinho-lhe as vontades e deixo-me cair nos braços já despojados
 
.postcoitalis tristesse.

07 maio 2013

ah e tal


diz  que tenho um i-thing e que pareço uma basaroca a teclar, parecendo que vou esmagar um mosquito contra o ecrã. :p

30 abril 2013

a proliferação de imagens

com aforismos ligados a bem estar editados no FB (tipo: "Quem me odeia vai cos porcos" ou "A vida dá-nos nos cornos na medida em que precisamos" e afins, mas mais prolixos e sem calão) hão de ser espelho desta necessidade dum sistema de crenças.
De facto, faz-se um esforço por ser-se positivo, mas isto tá muito denso cá em baixo...

16 abril 2013

cerca de 1/3 da população portuguesa no limiar da pobreza


Esta bárbara subida no número de pessoas carenciadas ocorreu num hiato de quê, 2-3 anos? Aflitivaente preocupante. Deduzo que ficam de fora os trintões e quarentões que vivem com papis e casos similares..
Há que agir. Voluntariado, doações, olhares empáticos. Vale tudo.

14 abril 2013

não sei se batido, mas piropo da estação

"Se não fosse divorciado, não me escapavas"

A sério, isto dava um estudo social. Homens e mulheres acima dos 30 com chakras todos f* up, desalinhados como um Renault 5 contra uma parede de betão armado. (Xii, já ´tou a ver o calhamaço.)

22 março 2013

new english word


"itsy-bitsy"! Wish I were a bit more :)


19 março 2013

ando cismada noutra tatuagem

sítio discreto, como gosto. Provavelmente, na nuca, por baixo dos cabelos compridos que só prendo na ginástica, no duche ou acima dos 40ºC.
A questão é: com a ausência de referencial que me carateriza, hesito entre

no pain, no gain

pain aches

no sítio certo, à hora certa

sometimes you win, sometimes you learn

anyone can be cynical. dare to be an optimist

ou uma chachada qualquer afim que só fará sentido dia sim, mês não.

Queria MESMO um software emocional novo.