04 março 2010

Reconciliação




Hoje vou a uma confissão colectiva, fenómeno moderno a que se chama Reconciliação.

Consta que consiste num acto de contrição individual, mas ao mólho.

Então, cada um reflecte nos seus pecados ("Chamei nomes ao meu irmão, ralhei com a minha mãe, não fiz os trabalhos de casa, não fui à missa todos os Domingos, cof cof..., etc...") e depois o padre sentencia uma penitência -padrão e... voilá! Saímos de lá com "a poda feita", "mai levezinhos", com a alma sacudida, arejada e engomadinha.

É às 21h. É a minha 1ª vez. "Reconciliação - Eu Vou!"
( Já vos digo qualquer coisinha.)
------------------------
Então que a reconciliação, que não é bem uma confissão, mas uma preparação para, mexeu comigo.
Foi-nos dado à entrada um panfleto para acompanhar a eucaristia, que me reduziu à minha insignificância humana. Não sou paciente, não me satisfaço com pouco, caio muito facilmente na dúvida, no protesto e na descrença, desespero amiúde, tendo a sucumbir às contrariedades, ... Nada que não soubesse já, muito embora não tenha por hábito reflictir sobre isso na perspectiva não de analisar, mas de melhorar.

1 comentário:

Flá disse...

E quê? Ainda estás a fazer a penitenciar-te???

Mas isso da 'reconciliação' n é uma modernice da Igreja para poupar tempo nas confissões individuais? só inventam... salve-se a fé das pessoas, q essa merece-me sp todo o respeito.

eu n tenho pecados.. :p