29 maio 2009

é hoje

... que verbalizo abertamente sobre a maior frustração da minha vida, a ver se me faz o favor de ser catártico.
Estava há pouco debruçada sobre as EQMs quando li acerca dum estudo duma britânica, Elizabeth something. A falecida entrevistou doentes terminais para daí desenhar 4 ou 5 das etapas atitudinais por que passam os aflitos antes de perecerem.
A 1ª era a negação ("não, isto só acontece aos outros, reú-beú-beú...").
A 2ª, o pânico (tapa-se a ferida com Cipralex e Prazam) e a raiva (e vai de malhar nos mais próximos, tipo papis e companheiro, que ninguém lhes manda estar sempre por perto).
Em 3º, vinha a negociação (e andei 2 anos a fazer o crisma e 2 níveis de reiki e spiritual engagement e tudo).
Por último, diz a Beth, a aceitação, fase muito próxima do fim. Às vezes compreende episódios de alucinação (!).
Pois, prendamos a nossa atenção no último dos estádios. Depois de 2 ou 3 dias emigrada no mundo fantasioso das contas impossíveis, eis-me no reerguer do luto. Já me apercebi que dali não saio. Que vou continuar a esbanjar 40% do meu salário em combustíveis e portagens. Que continuarei a 1 hora e 20 de distância de um qualquer teatro, sala de cinema com mais de 1 filme ou centro comercial (os shoppings, não obstante todas as acusações, são óptimos: permitem-nos anonimato...). Que não vou conseguir sair a correr para dar aquele abraço em tempo real àquela pessoa. Que não vou poder engordar livremente à pala dos croissants fresquinhos da Caneiros. Que vou continuar a viver a vidinha de 2ª a 5ª, para viver um fim-de-semana enviesado e sempre condicionado pelas 4 solitárias horas de carro.
Coitadinha de mim. Primeiro, durante muuuuiiito tempo, foi assim. Agora? Ainda é, menos, bastante menos, porém. Já me indaguei muito sobre o porquê. Se é uma dívida kármica, se a culpa é do Balança com ascendente em Gémeos, se é só azar e mau fado.
Bull shit. Irredutivelmente: ou como e calo ou ponho-me a toques e vou à vida. Mas dasse, quem me mandou a mim gostar tanto disto? E onde é que mo deixam fazer a tempo inteiro, com ele a cair certinho e direitinho a cada 23? E agora deixo aquilo e fico 2 anos penalizada, passam-me 7 centenas de chocas como eu à minha frente, saio rabinho entre as pernas sem susbídio de desemprego, depois de tanto tempo a encher os cofres dessa máquina que começo a odiar visceralmente. E torço as orelhas toda a santa noitinha, que é coisa minha cismar bem cismadinho como ninguém.
Sim, sou uma indecisa cobardolas. Mas não as há por aí com rabinho virado pá lua? Quisera eu.

7 comentários:

Jorge Rita disse...

Está tudo dito! Levantar a cabeça e seguir!

ianita disse...

Entendo-te muito bem...

Nunca estive onde estás... no sentido que nunca estive mais que a contrato... mas entendo esse gostar tanto... esse vibrar com as matérias... esse vibrar com as descobertas deles... esse sentir que se faz a diferença...

É que por mais difícil que seja, por mais que nos façam a vida num Inferno e nos façam levantar a voz e por mais pais parvos que tenham, os miúdos fazem tudo valer a pena.

Custou-me muito tomar a decisão de deixar essa vida para trás. Muito mesmo. Mas para mim era inevitável.

O teu caso é mais complexo e é teu. A decisão cabe-te a ti e só a ti.

Beijinhos e bona Fortuna :)

Paulo disse...

Certamente que o karma te recompensará mais dia menos dia.
Acho que, no fundo, é importante uma pessoa gostar mesmo daquilo que faz e se, pelo menos nesse aspecto, isso acontece contigo, então conseguirás encontrar sempre forças para ir aguentando os outros aspectos menos positivos até um dia, finalmente, as coisas se comporem.

Romicas disse...

Ainda que a minha situação seja diferente, como te compreendo, amiga, em muitas das coisitas que verbalizas. Posso ir para casota do lado, mesmo que não tenha palmeira?
Bjokas

Romicas

Isandes disse...

Ianita, foi ver-me andar a dizer este tempo todo k tava disposta a largar tudo, a trabalhar num balcão, se não surgisse + nada, mas, agora na iminência... bigada

Paulo e ró, ... bj

Flávia disse...

que tempos de merda estes... isa, a minha solidariedade e bola pra frente (n conforta saber isto, mas a vida está assim mt complicada para gente a mais..)

Eu tb sou de "ruminar" assim os assuntos que me apoquentam.

Isandes disse...

bigada, *