16 julho 2008

Saudade

Hoje recebi uma notícia triste. Uma amiga deixou de estar à distância de um telefonema ou de uma visita a Lisboa.
Para além da dor que temos de mastigar por se tratar de um evento irreparável, para além das saudades dos sorrisos que não vemos mais senão em evocação e da voz meiga e divertida cujo registo aúdio felizmente guardamos, há outra confrontação.
Quando perdemos alguém, somos realmente confrontados com a certeza de que não acontece só aos outros. E dói porque tememos que essas perdas se aproximem dos nossos círculos mais íntimos e cheguem às pessoas que estão no nosso pódio.
Este é um trabalho muito difícil, o de interiorizar, crer na ideia de que vamos muito para além da matéria. Aceitar que os nossos relacionamentos são finitos neste tempo. E mais difícil ainda, dizer à nossa dor para sossegar, porque afinal estamos todos juntos, apenas não o estamos à mesma hora, no mesmo sítio.

2 comentários:

ANA PAULA disse...

continua a escrever, pois a forma como o fazes até me arrepia.
todos nós ao longo da vida vamos perdendo pessoas que nos sao queridas. sei o que sentes...
beijo enorme
paula

Isandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.